38% dos usuários de aplicativos compartilharam a localização sem perceber

38% dos usuários de aplicativos compartilharam a localização sem perceber

Os aplicativos móveis podem não ser tão seguros quanto pensamos, tornando-se um ponto cego quando se trata em segurança cibernética.

Com mais de 60 bilhões de mensagens e 3,2 bilhões de imagens compartilhadas nas redes sociais todos os dias, os telefones transformaram a forma como nos comunicamos atualmente.

Um novo relatório da Licel, que cria a solução de segurança de aplicativos sem código DexProtector, mostra que 38% dos usuários de aplicativos compartilharam anteriormente sua localização por meio de um aplicativo social sem perceber.

Em 2007, os dados compartilhados por meio de dispositivos móveis incluíam números de contato e mensagens de texto. Em 2022, o compartilhamento de dados cresceu para incluir dados bancários, histórico de saúde, compras, IDs digitais, perfis sociais e vídeos.

Isso torna os aplicativos um alvo atraente para possíveis ataques de hackers.

Com o aumento dos serviços bancários online, os aplicativos são cada vez mais visados ​​por criminosos. Ao adulterar os principais recursos dos aplicativos, os hackers podem substituir funcionalidades e medidas de segurança.

Malware, clonagem de aplicativos, registro de chaves e ataques man-in-the-middle são apenas algumas das ameaças que os usuários de aplicativos financeiros enfrentam.

Muitos dos aplicativos fornecidos por bancos maiores também perderam medidas de segurança importantes, como algoritmos criptográficos, prevenção de gravação de tela, bloqueio do uso de ferramentas de controle remoto ou detecção de keylogging.

O phishing por SMS é popular porque os usuários tendem a confiar mais em seus smartphones. Seus guardas estão abaixados.

“Durante a pandemia, uma torrente de mensagens de phishing estava pingando nos telefones das pessoas”, explica o CEO da Licel, Ivan Kinash. “Embora isso tenha aumentado a conscientização de que o dispositivo é um alvo, os aplicativos móveis ainda são um ponto cego na segurança cibernética. Por exemplo, a maioria das pessoas supõe que, se um aplicativo estiver disponível para download em lojas oficiais, ele deve ser seguro. O relatório desmascara alguns mitos como este.”

Ao mesmo tempo, pesquisadores de segurança descobriram que apenas 37% dos usuários mundiais do Android tinham a versão mais recente instalada até 2022.

O sistema operacional tem sido repetidamente examinado por detectar aplicativos que expuseram dados pessoais do usuário.

“Todos nós temos um papel a desempenhar na melhoria da segurança de aplicativos móveis”, diz Kinash. “De nós como provedores de proteção de aplicativos, passando pela Apple e Google, para as empresas que desenvolvem aplicativos e, finalmente, para os próprios usuários finais. O objetivo deste relatório não é apenas mostrar o estado atual da situação, mas definir um rumo em direção a um ecossistema mais seguro”.

Compartilhar