Nuvem híbrida – 3 principais aspectos do gerenciamento eficaz

Embora suas motivações sejam diferentes, empresas de todos os tamanhos – e em todos os setores – estão adotando abordagens de nuvem híbrida.

As empresas com infraestrutura local massiva, especialmente em finanças, geralmente introduzem infraestrutura em nuvem porque precisam se modernizar para a experiência do cliente e cumprir regulamentos rígidos de segurança e privacidade.

Mas também vimos grandes empresas, maduras em sua adoção de nuvem, optarem por mover uma parte de suas cargas de trabalho de volta para instalações de colocation ou data centers próprios – adotando uma estratégia de nuvem híbrida – para reduzir custos e obter controle.

Independentemente de como chegaram lá, as empresas podem aproveitar a nuvem híbrida para gerenciar aplicativos e dados da maneira mais econômica e com melhor desempenho possível diante de condições de serviço dinâmicas e requisitos de negócios exigentes.

Dito isso, muitas empresas lutam para gerenciar a complexidade da infraestrutura de rede híbrida. Isso os impede de otimizar o desempenho da rede, o que pode ser prejudicial. A chave para superar esse desafio não é simplificar a infraestrutura; é encontrar maneiras de gerenciar a complexidade de forma mais eficaz.

Portanto, as equipes de TI devem considerar esses três aspectos críticos do gerenciamento eficaz da nuvem híbrida:

1. Modelagem de recursos de infraestrutura nuvem híbrida

As empresas só podem gerenciar o que sabem que têm; e os métodos de inventário manual não conseguem acompanhar a escala da infraestrutura de nuvem moderna.

Muitas empresas não conseguem manter um inventário completo do que possuem; e eles podem apenas fazer suposições sobre o impacto de novas implementações na capacidade e no desempenho da rede. Algumas empresas usam o custo para avaliar o que têm — ou para indicar quando precisam ajustar ou realocar recursos — mas essa abordagem é ineficaz e leva a gastos desnecessários.

Em vez disso, as empresas podem usar ferramentas de modelagem e descoberta de recursos para implantar redes melhores e aumentar a eficiência desde o início. Compreender seus recursos e necessidades de rede pode criar melhores políticas de implantação e criar automação. Eles também podem fazer planos preventivos mais fortes para alterações e atualizações de rede para garantir as melhores experiências do usuário, mantendo os custos sob controle. Isso resultará em experiências de maior qualidade, menos tíquetes de suporte e problemas de rede e maior produtividade da equipe.

A modelagem de recursos ajudará as equipes de operações a entender quais serviços, recursos de infraestrutura e dispositivos possuem, onde estão localizados, qual cobertura cada um possui e como estão conectados. Com este conjunto completo de informações – uma única fonte de verdade – os eams podem prever o impacto total de cada mudança de infraestrutura, levando a uma tomada de decisão mais confiante, melhor otimização e detecção mais fácil de anomalias.

2. O que é nuvem híbrida?

A nuvem híbrida geralmente incorpora uma mistura de data centers privados amplamente distribuídos, nuvens públicas e redes de borda, que suportam as interações dos usuários com os produtos e serviços de uma empresa em vários dispositivos (por exemplo, navegadores de desktop, dispositivos IoT e dispositivos móveis).

É aqui que a complexidade da nuvem híbrida se torna o desafio mais significativo. Para vincular todos esses dispositivos e pontos de acesso de forma transparente – e fazê-lo de maneira econômica – as empresas precisam integrar uma lista cada vez maior de sistemas e serviços com uma moderna estratégia de automação e gerenciamento de tráfego. Sem essa integração, direcionar o tráfego de aplicativos em diferentes nuvens e data centers ou rotear usuários com eficiência para os endpoints corretos são tarefas insuperáveis. Com ele, os usuários obtêm uma experiência perfeita ao acessar produtos e serviços, independentemente do dispositivo que estão usando ou onde estão localizados.

O gerenciamento de tráfego de aplicativos também ajuda a reduzir os custos. As equipes podem implementar estratégias inteligentes de direcionamento de tráfego para direcionar dinamicamente as cargas de trabalho na nuvem e no local para os recursos mais econômicos para economia adicional.

A orientação de tráfego também pode ser uma ferramenta valiosa na proteção contra o provisionamento excessivo, que pode aumentar as despesas, ou o provisionamento insuficiente, o que afetará o desempenho e, potencialmente, a experiência do cliente.

Por fim, automatizar o tráfego pode ajudar na implantação de uma nova infraestrutura. O tráfego pode ser introduzido gradualmente na nova infraestrutura à medida que ela fica online para permitir tempo para resolver bugs e problemas. No geral, essas estratégias dão às empresas maior controle sobre resultados e custos, reduzem riscos, cumprem consistentemente as promessas aos clientes e incutem confiança nos investimentos em tecnologia.

3. Observabilidade da Rede

As empresas que dependem da nuvem híbrida precisam analisar, aprender e responder à infinidade de dados que atravessam suas redes e serviços de aplicativos. Esses dados podem – e devem – ser usados ​​para tomar melhores decisões. É essencialmente um valor de “big data” para redes; e é essencial para operações, planejamento de capacidade e segurança, bem como para o crescimento de longo prazo.

Uma tendência emergente e eficaz é a observabilidade da rede distribuída: levar a análise o mais próximo possível da fonte de dados. Explorar os fluxos de dados da rede e analisá-los em tempo real pode fornecer informações comerciais imediatas, ajudar a depurar problemas e identificar pontos fracos de segurança – tudo isso levando a um tempo médio de resolução aprimorado. (Leia também: 10 mitos sobre o gerenciamento de dados em várias nuvens.)

Preparando-se para o sucesso com a nuvem híbrida

Apesar dos desafios da nuvem híbrida, as empresas podem implementar algumas estratégias para gerenciar sua complexidade com mais facilidade.

A modelagem de recursos oferece às empresas uma noção melhor de sua infraestrutura local e na nuvem, permitindo que elas construam eficiência e automação de forma proativa desde o início para avaliar riscos com mais precisão e tomar decisões mais bem informadas. O gerenciamento e a automação do tráfego melhoram o desempenho, reduzem os riscos e facilitam a redução de custos. Por fim, as ferramentas de observabilidade ajudam as empresas a avaliar suas operações de rede e definir metas para o futuro.

O resultado é um desempenho aprimorado, menos problemas e tíquetes de suporte e operações de rede mais eficientes.

Comentários estão fechados.