Trump processa Clinton e democratas por alegações de conluio com a Rússia

Trump processa Clinton e democratas por alegações de conluio com a Rússia

 

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, processa a ex-candidata democrata Hillary Clinton e muitos de seus aliados políticos por acusações feitas em 2016 de que sua campanha conspirou com Moscou.

Trump está buscando um julgamento com júri e pelo menos US$ 72 milhões em danos. (Reuters)

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, entrou com uma ação contra Hillary Clinton, líderes do Partido Democrata e outros, alegando que o acusaram falsamente de conspirar com a Rússia antes das eleições de 2016.

“No período que antecedeu as eleições presidenciais de 2016, Hillary Clinton e seus companheiros orquestraram uma trama impensável – uma que choca a consciência e é uma afronta à democracia desta nação”, disse a queixa apresentada em um tribunal federal na Flórida na quinta-feira. .

“Atuando em conjunto, os réus conspiraram maliciosamente para tecer uma narrativa falsa de que seu oponente republicano, Donald J Trump, estava em conluio com uma soberania estrangeira hostil”, afirmou. “Eles trabalharam juntos com um único propósito egoísta: difamar Donald J Trump.”

“As ações tomadas em prol de seu esquema – falsificação de provas, enganar a aplicação da lei e explorar o acesso a fontes de dados altamente sensíveis – são tão ultrajantes, subversivas e incendiárias que até mesmo os eventos de Watergate empalidecem em comparação”, acrescentou a queixa. .

Além de Clinton, outros réus nomeados incluem o Comitê Nacional Democrata, John Podesta, que atuou como presidente da campanha presidencial de Clinton em 2016, e o ex-diretor do FBI James Comey.

Também apontado como réu foi Christopher Steele, um ex-oficial de inteligência britânico que produziu um dossiê antes da eleição contendo informações supostamente comprometedoras sobre Trump.

 

Trump busca julgamento por júri

Trump denunciou repetidamente o dossiê Steele como “falso” e o New York Times determinou que não havia evidências corroborantes para apoiar muitas de suas alegações.

Um analista russo que contribuiu para o dossiê foi indiciado nos Estados Unidos por mentir para agentes do FBI que investigavam algumas de suas descobertas.

Também foram apontados como réus o escritório de advocacia Perkins Coie, que trabalhava para a campanha de Clinton, e a Fusion GPS, uma empresa privada que Perkins Coie contratou para fazer pesquisas sobre a oposição.

Trump está buscando um julgamento com júri e pelo menos US$ 72 milhões em danos.

O ex-conselheiro especial Robert Mueller investigou a interferência russa na campanha presidencial de 2016 e revelou várias reuniões entre assessores de Trump e russos.

Mas Mueller não chegou a dizer que a campanha de Trump se envolveu em uma conspiração criminosa com a Rússia, levando Trump a proclamar que não havia “conluio”.

Um relatório divulgado por um painel do Senado liderado pelos republicanos também revelou vários contatos entre membros da campanha de Trump e autoridades russas, mas também não afirmou que havia uma conspiração.

O relatório do Senado descobriu que um dos ex-gerentes de campanha de Trump, Paul Manafort, tinha um relacionamento de longa data com Konstantin Kilimnik, um suposto oficial de inteligência russo, e havia repassado informações internas da campanha para ele.

Fonte: AFP

 

Compartilhar