6 dicas importantes ao se relacionar com pessoas com TDAH

6 dicas importantes ao se relacionar com pessoas com TDAH

Segundo especialistas, adultos com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) conseguem ter uma vida ativa e normal. O essencial é seguir o tratamento adequado, depois de um diagnóstico correto.

Se você desconfia que pode ter TDAH, existe um teste de TDAH online para realizar. Caso o teste confirme sua suspeita, procure um psiquiatra ou psicólogo para começar seu tratamento e ter uma vida de qualidade.

Os sintomas básicos de TDAH nos adultos são:

 

  • Comportamento de risco;
  • Abuso de substâncias químicas;
  • Depressão;
  • Dificuldade nas relações interpessoais;
  • Problemas no trabalho;
  • Instabilidade de humor;
  • Hiperatividade;
  • Impulsividade;
  • Desatenção.

 

Dentre os vários problemas de uma pessoa com TDAH, uma das consequências negativas é nos relacionamentos amorosos. Em um relacionamento amoroso, o portador de TDAH pode apresentar problemas como: 

 

  • Não ouvir o parceiro;
  • Esquecer de datas importantes;
  • Não realizar tarefas domésticas;
  • Esquecer horários.

 

Portanto, o diagnóstico de TDAH e seus sintomas podem dificultar uma relação amorosa. Um adulto com TDAH em um relacionamento pode ser visto como egoísta, insensível e frio. Por isso, ao se relacionar com uma pessoa com TDAH, são necessárias algumas práticas para equilibrar o relacionamento. Conheça 6 dicas importantes ao se relacionar com pessoas com TDAH.

 

  • Tenha empatia pelo parceiro. Entenda os sintomas do TDAH e saiba o motivo de comportamentos específicos;
  • Tenha responsabilidade sobre como suas ações vão reverberar na pessoa com TDAH. Antecipe consequências desagradáveis;
  • Evite que as mesmas emoções tenham como consequências respostas iguais. Identifique um padrão e trabalhe para ter uma reação diferente do esperado, já que a resposta padrão não está funcionando;
  • Não responda com agressividade à distração do seu parceiro. É muito mais eficaz apoiá-lo e motivá-lo a buscar tratamento para mudar o comportamento;
  • Reclamações não tendem a mudar o parceiro. Isso não funciona. Ele só mais se sentir desmotivado, menos amado e incompreendido;
  • Incentive o parceiro a procurar tratamento especializado, para ter uma estabilidade dos sintomas a longo prazo.

 

O mais eficaz para melhorar não apenas a vida no relacionamento amoroso, mas também no trabalho, nos relacionamentos interpessoais, nos momentos de lazer, nas obrigações do cotidiano e na vida em geral, é um tratamento medicamentoso aliado a psicoterapia.

É necessário ressaltar que uma pessoa com TDAH que não procura ajuda, não pode ser mudada pelo parceiro. Infelizmente, essa não é uma opção. O adulto com TDAH necessita entender quais sintomas trazem problemas para o relacionamento e também querer mudá-los.

Portanto, de nada adianta um esforço enorme do parceiro se a pessoa com TDAH não estiver disposta a melhorar.

Se você está em um relacionamento com um portador de TDAH e os sintomas da doença estão trazendo consequências negativas para o relacionamento, vale a pena conversar com o parceiro com TDAH.

Não há cura ou modo milagroso de resolver a situação. É necessário investir em acompanhamento médico de qualidade.

Um parceiro pode ajudar no equilíbrio dos sintomas com as 6 práticas citadas acima, mas sem a vontade do portador de TDAH em querer aliviar seus sintomas, não há como melhorar o relacionamento.